terça-feira, 25 de agosto de 2015

Breve

"Forgetting Is the Only Continuum"- David Regen; foto por Mel Bochner's,  Gladstone Gallery

Decidi escrever para ti
Que nunca fora poema
Já evitando a dúvida:
Não lhe é por pena

Sendo assim, por respeito

Acalma, criança
A dor que lhe pesa o peito
Acalma tuas expectativas
Pois são de tua autoria

Acalma, criança
Tuas ânsias imaginativas
Não transformes brevidade
No martírio de uma vida

Aceita, criança
Que a metafísica de teu mundo
É puramente tua, e some
Se quiseres; em um segundo

Aceita, criança
O futuro que lhe espera
Abandonando o cadáver natimorto
Nunca fora; seja contigo sincera
Senão o que querias que fosse

 Não cries âncoras em penas
Fora leve por traço do destino
Sem promessas ou compromissos

Se lhe negam o que ofereces
Não conseguirás o mesmo efeito
Atirando-lhes os pedaços
Persistindo no que não tem jeito

As vezes nos entregamos 
Ao que gostaríamos que fosse
Sem enxergar tudo o que não foi
Sobrando amargor, contanto fora doce

Então acalma
Não atires pedras no espelho
Por ouvires mentiras de si mesma

Então aceite
Porque o mundo é um moinho
E nas voltas da incertezas
Terás novamente os pés no chão

Te desejo então, criança
Que encontre nos versos que diz
Novos encantos; Algo que,
Conquanto
Esquecendo o passado
Abandonando teu pranto
A faça feliz

 .