terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Humanos, seres artificiais

Estava discutindo com uns amigos sobre a questão de se relacionar com seres artificiais, ou robôs com sentimentos. A idéia surgiu do post que ele fez no blog On Bytes, de onde se originou essa discussão e decidi postar parte da minha opinião. Aqui exponho pensamentos um tanto quanto impactantes e que não digo que seja exatamente minha opinião, mas que são interessantes para serem refletidos.

Penso que quanto ao lado de não se relacionar com um ser artificial porque ele viveria muito mais não se encaixa, porque pensando bem até isso ser possível nós já estaremos clonando órgãos e adaptando partes biotecnológicas ao nosso corpo e também estaríamos vivendo mais. Quanto a robôs terem sentimentos ou não, eu vou jogar uma opinião um tanto quanto ateísta e subversiva mas que é para ser pensada: quem disse que nós temos sentimentos e emoções? Se pararmos para pensar todo tipo de sentimento tem uma razão lógica por trás.

Por exemplo, você tem medo de palhaço pois um dia ele se mostrou muito invasivo assim afetando seu instinto de defesa e por possuir uma aparência que não condiz com o natural.
Ou sente atração por uma garota pois percebe, mesmo que no subconsciente, que através de sua pele sedosa e bochechas rosadas ela está ovulando e exalando hormônios, ou que ela parece ser bem qualificada para procriação por possuir um quadril bem largo, para que quando grávida acomode melhor o bebê.
Não vou poder ficar dando exemplos, pois seriam infinitos os motivos.
Outra coisa que afeta nosso humor e emoções é a nossa saúde e os nossos hormônios, de forma que uma pessoa com maior indicie de testosterona no corpo em geral se torna mais agressiva, mais impaciente e estrógeno o contrário, mais delicada e sensível. E não se esqueçam que tais hormônios existem tanto no homem quanto na mulher.
Bom, tenho muitos outros exemplos mas resumindo... o que quero dizer é que: quem prova que somos tão especiais, emotivos e sensitivos? Talvez sejamos Apenas Macacos com um celular com poderio tecnológico!



E se sentimentos e emoções forem associações lógicas, talvez a máquina que se parece tanto conosco por pensar binariamente,(sim ou não, bem ou mal, ligado ou desligado, 0 ou 1) possa se desenvolver um dia para se tornar semelhante a nós, e talvez até  melhor. Se um dia uma máquina aprender a pensar e imaginar, nossa raça estará com os dias contados.

Nós queremos "evoluir" mas não sabemos pra onde e nem porque!!

Dance Monkeys, Dance!!!